quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

-Agora tudo mudou


Estava escuro, eu não escutava nada, muito menos lembrava de nada.
Como fui parar ali?O que ouve?
Só me lembrara de te-lo visto passar, só me lembrara de quando eu ainda o tinha... Não, não, isso não pode ser verdade, devo ter me embebedado de mais, e sonhado com tudo aquilo, um pesadelo.
Procurei pelo celular, eu precisava saber ao certo o que tinha acontecido,virei e me pus a procurar,e no meu ombro senti uma mão, de quem seria essa mão? Assustada, dei um grito, foi o meu sinal de alerta, alerta de que eu abara de acordar, esperava que tudo fora um sonho, como eu teria imaginado da primeira vês, minha mãe entrou e me abraçou com tanta força, isso não era um bom sinal, eu sentia urgência em seu abraço, mas antes que eu pudesse perguntar ouve um flash de memória e lembrei. Noite passada ele fez uma coisa que ninguém faria por alguém que não ama, ele se arriscara por mim.  Descontrolada, depois de saber com quem ele acabara de passar a noite, bebi muito, peguei o carro e sai da boate, ele me viu e tentou segurar-me, meu Deus, como fui tão estúpida?  Não escutei-lhe e sai do mesmo jeito, ele entrou no carro comigo... No caminho, depois de muito discutir sozinha, olhei para frente e deparei-me com um carro, que não consegui , eu juro que tentei... o carro veio... ele viu que não teria jeito e virou a direção, nos tirando da pista... me lembro de ter escutado ele gritando que me amava e desmaiei logo em seguida...  agora restara a duvida de como ele estava, entre tantos pensamentos, tantas lembranças, agora eu teria de saber...  minha mãe chegou e contou-me como se eu ainda fosse criança  ‘querida, ele foi para o ceu’, uma angustia, um peso, um sentimento de culpa, mal estar... Nojo de mim mesma, ocuparam minha cabeça completamente, eu não poderia ter feito aquilo, conviverei com a culpa até a morte, quem sabe se ela já esta perto?  Foi quando me lembrei da mão que sentira logo após me acordar, era ele, eu sentia, eu sabia, ele entrara no meu carro,naquela noite para me proteger, me isolar do mal que eu mesma estava sujeita a cometer contra mim, ele queria me proteger... ‘idiota, repuguinante é o que você é’ era o que eu acabara de dizer a mim mesma. Sofrerei com a culpa, este será meu castigo.

2 comentários:

Giovana disse...

Muito bom o post!!Vc É UMA ESCRITORA em tanto!!Rsrsrs!!Muito criativa!

Bjs(L)

Piie'tra disse...

Valeu Giijo!