quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

- Uma Carta...


Me sinto só... talvez mais do que o normal permita. Quero dizer tantas coisas ao 
mesmo tempo que falta palavras, e então prefiro ficar calada enquanto você traduz o 
implicito, quero gritar e ser contraditória.    
Eu penso em você a cada palavra fora do contexto, nos refrões alheios usados pra
trazer, mais uma vez, você pra perto, e quando a música acaba sobra o vazio...
Não pensa que te "abandonei" ou algo do tipo, é o pior que pode me fazer agora, não
quero arriscar qualquer passo em falso e por tudo a perder. Não esquece de toda gargalhada e palavras jogadas ao vento,...    mas quando se sentir só... quando ninguém conseguir te tirar do sério, faz da nossa conexão um meio de fugir...
não precisa das horas repetidas pra saber no que estou pensando. 
Ainda me questiono em tudo que nos trouxe até aqui, cada decisão, as mil e uma
escolhas que poderíamos ter feito, nos levando a caminhos totalmente opostos, mas a ironia do destinho nos trouxe aqui, era pra acontecer -sem photoshop... 
meu medo é ir te perdendo aos poucos, doloroso presenciar... não sabe o quanto sinto sua falta.
Olha, estou bem,posso me adaptar só não quero nem vou me acostumar a isso.




um pouco de palavras repetidas vindas de Humberto Gessinger


   "Teus labios são labirintos que atraem os meus instintos mais sacanas"
"Entre a minha boca e a tua há tanto tempo, há tantos planos, mas eu nunca sei para onde vamos"




e isso é só o começo.

2 comentários:

Ízis Carolina disse...

Bom, questionamentos sempre irão existir, seja lá sobre o que for e, pode ter certeza que esses sempre serão contraditórios e, acima de tudo, gritam dentro de nós sem respostas.

Adorei o texto :)
http://asmemoriasdodiario.blogspot.com

Rick" disse...

Cara, achei muito lindo. E que carta, tão profunda, e tão bonita. Gosto de coisas assim, gosto de cartas. Lindo post. Bjws.
Tiver tempo:
http://semguarda-chuvas.blogspot.com/